[Fanfic] Baby Steps - Capítulo 1

Nota: Narrado por Tiffany 
O trecho citado é da música "Baby Steps"
Nichkhun...
É difícil aceitar, e me dói demais admitir isso, mas é necessário. Você se foi, nosso tempo juntos e nossa história também se foram com o vento. São muitas as lembranças de como nos conhecemos e também de como esse sentimento nasceu. Lembro-me lucidamente de cada um deles, mas como disse são muitos, então não vou citá-los todos aqui, porque a minha história contigo daria um livro, e esta pequena folha de papel não seria suficiente para isso. Mas fato é que sempre fomos amigos de longa data, e mal sabíamos que isso duraria anos e amos, como é até hoje. A nossa amizade sempre foi muito forte, e ainda continua assim, mas para mim, apenas isso não basta. Eu quero algo a mais para mim, eu te desejo completamente, de corpo e alma.
Enquanto escrevo isso, e te conto o que se passa em minha mente, minha mão está trêmula, me sinto insegura de mim mesma e deixo uma lágrima cair. Uma, mais uma, e mais outra... Tento reprimi-las, mas a vontade de chorar me consome. Não me culpe, essa é a forma que uma pessoa que guarda sentimentos fortes encontra para expressar aquilo que carregou consigo por tempo demais. Chorar. Isso mesmo; chorar e lembrar-me do que me passou é o que eu tenho feito nos últimos meses. Conto até seis, na tentativa de me recompor, mas a emoção é maior que tudo:
“Um dois, meu coração
Três quatro, minha respiração
Cinco, seis, meu corpo todo”
Sei que cada um de nós tem seu caminho, seus planos. Entretanto, nossas “linhas tortas”se encontraram. Tivemos momentos mágicos e inesquecíveis. Você se declarou para mim ao me entregar um buquê de flores e chegar de supetão na minha casa. Sem avisar, de repente, de forma leve e suave. Fiquei maravilhada com a surpresa e logo aceitei ser sua companheira. Esse como também outros dias que tivemos foram brilhantes, memoráveis, como aquele dia na praia. Decidimos passar um tempo juntos em uma praia não muito distante daqui desta cidade. Estava um dia lindo, o sol brilhando, e ao pôr do sol, a beleza era ainda maior; um lugar perfeito para um momento a sós. Porém, nem tudo são flores, seja coincidência ou não aquela mesma praia foi o último lugar onde fomos juntos antes de nos separarmos. É triste dizer isso, mas é essa a verdade.
Lembro de você e te vislumbro todas as vezes que vejo algo de que gostava ou das suas manias, pois tudo ao meu redor lembra você. Mas, mesmo que eu te veja, não consigo te tocar mais. Não mais, nem seu corpo, nem seu coração. E quanto mais eu tento te apagar, mais nítido você se torna, quanto mais eu tento não ouvir a sua voz ecoando em minha mente e dizendo: “eu te amo, Tiffany”, mais eu te escuto dizendo essas e outras palavras para mim E cada vez que alguém me pergunta sobre nós, e por que terminamos, eu tento soar indiferente e esconder as emoções, mas todos dizem que é visível em meu rosto, em minha expressão, o quanto eu te amo. E toda vez que alguém toca no assunto, mais e mais lembranças surgem do fundo da minha mente.
Você sempre foi muito atencioso comigo; fazia-me sorrir e me surpreendia contigo. Mas agora, não vou ver, mas a sua “sombra” atrás de mim, para me fazer uma surpresa. Não vou mais sentir sua mão a tocar a minha pele, nem nada disso. Acabou. Eu achei que as linhas se cruzariam e que esse amor seria eterno, mas parece que foi apenas uma história de amor que não deu certo. “Não deu certo”, as palavras ressoam em minha mente infinitas vezes, mas segundos depois eu penso “será mesmo?” Quero ter esperanças de voltar para ti, de poder ter uma chance a  mais com você. Mas quanto mais desejo me aproximar de você novamente, mais eu temerosa eu fico; eu temo que cada vez mais você se afaste e se distancie de mim, cada vez que eu der meus passos para me reaproximar de você.

Por isso, sinto que  preciso urgentemente de que alguém me ajude; quero ir até você, mas o problema é que eu tenho muito medo de fazê-lo e estou insegura, então, cada um dos meus passos que (espero que) um dia me levarão de volta para você, são repletos de lágrimas, independente do dia ou hora; ontem, hoje ou amanhã, é sempre assim. Mas sinto que preciso fazer isso, nem que seja aos poucos, e com passos trêmulos. Com passos trêmulos eu me aproximarei de você cuidadosamente, e assim, você enxergará o meu amor. Espero que, na melhor das hipóteses, quanto isso acontecer, você finalmente dê um passo para mais próximo de mim, e me envolva em um forte abraço, uma vez mais, como costumava ser. Porque esse é você, essa sou eu. Esse é o “nós” que para mim, sempre existiu e existirá infinitamente, incondicionalmente. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História