Pular para o conteúdo principal

[Fanfic] Capítulo 9

No dia seguinte minha mãe já havia chegado desde cedo para me ver, pois passaria a manhã livre. Ela ficou feliz em me encontrar animada e foi logo chegando mais para perto de mim. Não lembro muito (com detalhes quero dizer) o que aconteceu pela manhã. Só sei que conversamos bastante, e sobre tudo. Ela me contou como andam as coisas na doceria entre outros muitos assuntos. Mas, no meio de toda essa conversa, ela me perguntou uma coisa inesperada:
— Como foi seu dia, ou melhor, sua noite com seu amigo ontem? — ela disparou, curiosíssima.
— Foi bem — respondi, sem graça, ela sorriu de leve, visivelmente satisfeita
— Gostou das flores? — ela continuou com o interrogatório, de maneira alegre
— Como você sabe que eu ganhei flores? — questionei-a, arqueando as sobrancelhas.
— Porque fui eu que disse para ele dar flores vermelhas pra você, filha — ela disse, com carinho.
— Funcionou. Eu amei. — elogiei — Mas então, você já sabia de tudo?
— Tudo não — ela negou com a cabeça — Mas uma parte sim.  Eu sabia que ele queria te fazer uma surpresa.
— Ah... Já estava desconfiada... — comentei, cruzando os braços, fingindo estar brava, mas piscando para ela.
 Depois disso, foi tranquilo. Tivemos aquele momento mãe e filha que tanto gosto e que prezo muito, porque não é sempre que ela chega desde cedo, já que ajuda meu pai na loja. Aproveitamos o tempo de todas as maneiras possíveis
 Algumas horas depois...
Alguém bate na porta. “Quem será?”, pensei .
— Acho que seu príncipe veio te ver — minha mãe resolve dar palpite e eu fico sem graça
E segundos depois vejo que ela estava certa. Era Kousei
Entrou de mansinho, pela porta entreaberta. Vendo que o garoto ia se aproximando cada vez mais de mim, minha mãe me olhou daquele jeito presunçoso, como se dissesse: “vou deixar os pombinhos a sós” e se retirou instantes depois.
 Era de tarde quando ele veio me visitar. Podia ser um dia normal (não que não fosse)  mas naquele dia nos cumprimentamos de forma diferente do habitual; nós trocamos beijinhos na bochecha e nos entreolhamos com ar de cumplicidade, que expressava toda a satisfação que tivemos no dia anterior. Senti minhas bochechas corarem e percebi que as dele também estavam vermelhas.
Depois de um tempo nos encarando, ele perguntou?
— Como está na sua recuperação?
— Bem — respondi despreocupada
— Quer fazer algo diferente? — perguntou, já querendo saber qual seria a minha resposta
— Tipo o quê?— devolvi com outra pergunta
— Quer sair um pouco? — sugeriu, a voz solene
— Claro! É o que mais quero nos últimos tempos! — comentei verdadeiramente animada
— Podemos ir à lanchonete, o que acha?
— Acho ótimo! — exclamei, satisfeita com a proposta.
Saímos do meu quarto discretamente, para que não fossemos vistos e pegamos o elevador mais próximo, em direção ao térreo (lógico!). No elevador, ele tocou as minhas mãos carinhosamente, e eu retribui o gesto, com um olhar singelo, no qual se via toda a felicidade que eu sentia.
Ao chegar à lanchonete, pedimos suco de laranja e eu quis um lanche natural (é dose eu não poder comer nada mais que isso). Sentamos em uma mesa não tão longe dali e começamos a conversar bastante enquanto comíamos.  Logo, compartilhamos a bebida, cada um tomava em um canudo, claro. Mas, como estávamos frente a frente, nos olhávamos fixamente, com um sorriso no rosto, mas desta vez, sem dizer uma palavra. No entanto, era um silêncio agradável, daqueles que a gente presencia quando alguém muito querido nos faz companhia, e nos faz esquecer todos os problemas, pelo menos por um tempo.
Estávamos nos entreolhando há um tempo, quando ele decidiu que queria “dar um passo a mais” no nosso relacionamento. Sutilmente, começou a se aproximar mais de mim, e eu dele, com aquele sentimento recíproco que sabíamos que tínhamos um pelo outro. Meu coração começou a bater mais forte e eu estava esperançosa.  Nossos lábios estavam quase se encontrando quando, de repente alguém (que estava bem atrás da gente) pigarreia e diz:
— Ei! O que vocês estão fazendo aqui? — questiona a Yukie (que eu não via há um tempo), nos repreendendo, deixando evidente que aquilo não era “só” uma pergunta a ser respondida
— N-nada — respondemos juntos, tentando disfarçar, mas obviamente não obtendo muito sucesso
— Não adianta esconder nem me enrolar — ela nos advertiu com a voz um pouco mais suave
E olhando para mim ela disse:
— Venha, Kaori! Vamos entrar — ordenou — Você já está há um bom tempo aqui fora.
Tentei fazer cara de choro, para ela ficar com pena e me deixar na lanchonete um pouco mais, mas não adiantou nada. Então, só chamei Kousei para ir junto comigo de volta ao andar superior. Ele assentiu e nos seguiu. A Yukie me deixou no quarto rapidamente, e se retirou logo em seguida.
Depois que ela saiu, Kousei me disse:
— Então... Acho que depois dessa aí, é melhor eu ir — falou, acanhado
— Não terminei de falar com você! — afirmei, decidida
— O que você tem pra me falar, Kaori? — ele quis saber, intrigado com a minha fala
— Pare de fazer perguntas! — exclamei, rindo. E bem nessa hora eu lhe dei um beijo, daqueles bem sutis e demorados, e que fazem o coração acelerar e o corpo todo estremecer e arrepiar. E que traz milhares de sensações ao mesmo tempo. Você deve estar pensando que essa é uma daquelas cenas lindas de filmes, mas na realidade é bem diferente... E o primeiro beijo sempre é marcante...
— Entendeu agora, o que eu tinha pra te dizer, Kousei? — inquiri, fitando-o — Eu te amo, disse singela — e por um momento senti que todo aquele momento estava acompanhado de uma explosão de cores, e que pertencia somente a nós. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss