Pular para o conteúdo principal

[Fanfic] Capitulo 3

Capítulo 3 – Boa sorte
Depois daquela frase, não sabia mais o que pensar. Meu cérebro virou gelatina. Sua teimosa? Como assim? Ok, eu admito que gosto do Kousei (só para você, leitor), mas ele não demonstra ter algum tipo de sentimento por mim além da amizade (ele é tímido demais pra isso) e agora ele diz que eu sou a “sua teimosa”? —Ah, vai saber! Homens!
Mas eu não pude evitar: estava em um completo estado de transe, pasmada, mais branca que papel.
Fiquei pensando nisso por alguns instantes, mas também não podia fantasiar as coisas: amizade é amizade, amor é outra história. Resultado: Agora eu sei que o meu “Amigo A” tem mais mistérios que eu imaginava! E um deles me inclui.
Argh! Depois a imprevisível sou eu! (Os meus amigos me dizem isso o tempo inteiro) Mas eu decidi não comentar nada com ele e deixar as coisas rolarem. Afinal, mesmo que eu perguntasse não falaria isso logo de cara.
Então, eu só perguntei:
 — Tem algo mais a declarar, Kousei? — interroguei pretensiosa
— Eu só queria te dizer pra ficar tranquila. Vai dar tudo certo
— Valeu — disse tentando soar indiferente
— Então boa sorte — falou, pegando em minhas mãos pequenas, e acariciando meu rosto — se cuida! — completou por fim — e se foi
Mesmo depois que o Kousei foi embora eu ainda continuei pensando (por um bom tempo) em tudo que ele me disse naquela tarde. E embora eu não soubesse ao certo quais eram suas intenções, tampouco os sentimentos em relação a mim (o que me deixava intrigada) eu concluí que pensaria apenas no lado bom da situação: ele me desejou boas energias para a cirurgia e me disse para permanecer calma. E era exatamente isso que pretendia fazer no dia seguinte.
Mas, passado algum tempo, percebi que já era mais do que hora de descansar um pouco, porque a Lua já havia chegado e as estrelas estavam brilhando. Àquela altura, eu já estava nas nuvens, em um sono levemente profundo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss