Após atentados em Paris, países europeus realizam reuniões de crise

Do G1
As capitais europeias se mobilizaram neste sábado (14) para reforçar suas defesas contra o terrorismo e garantir a segurança de suas populações após os ataques realizados em Parisreivindicados pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

Em Londres, Berlim, Viena, Madri e Roma, os chefes de Governo realizaram ou programaram reuniões de emergência, ao mesmo tempo em que expressaram a sua solidariedade para com a França e comprometeram-se em ajudar na luta contra o terrorismo.

Na maioria dos países, a segurança foi reforçada em torno das instituições e interesses franceses, enquanto a Bélgica apelou seus cidadãos a evitar viagens à França, onde os ataques de sexta-feira à noite mataram pelo menos 128 pessoas e fizeram 250 feridos.

O ministério das Relações Exteriores da Bélgica informou que ao menos dois belgas estão entre as vítimas dos ataques terroristas.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, presidiu neste sábado de manhã uma reunião de crise, "após os terríveis e repugnantes ataques terroristas em Paris", de acordo com a sua conta no Twitter. Um alto funcionário da polícia de Londres anunciou o aumento das medidas de segurança.

O Foreign Office aconselhou cautela a seus cidadãos em locais públicos na França, enquanto o Eurostar propôs reembolsar os passageiros que desejarem cancelar sua viagem a Paris.

Temendo ataques como os que ocorreram em Paris, o Reino Unido, atingido em julho de 2005 por uma série de atentados a bomba que mataram 52 pessoas, realizou em junho o maior exercício anti-terrorismo já organizado em Londres.

'Somos todos a França'A chanceler alemã Angela Merkel, a quem o presidente François Hollande telefonou neste sábado, como outros líderes, anunciou uma reunião ministerial.

"Vamos fazer de tudo para ajudar na caça aos autores e instigadores (dos ataques), e participar na luta conjunta contra estes terroristas" ao lado de França, prometeu.

Em Viena, onde ocorre uma reunião internacional sobre a Síria, o governo deve reunir-se em sessão extraordinária no início desta tarde. Ele também reforçou as medidas de segurança, especialmente em torno das instituições francesas e internacionais.

A municipalidade de Viena adiou a inauguração do famoso mercado de Natal, que deveria acontecer hoje.

O chefe do governo italiano, Matteo Renzi, anunciou uma intensificação dos controles em toda a península. "Como todos os italianos, eu sei que os terroristas não vão vencer. Que a liberdade é mais forte que a barbárie. Que a coragem é mais forte do que o medo", disse Renzi em um discurso solene de terno preto e gravata.

"Hoje, somos todos França", afirmou, ecoando o primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy, antes de presidir no final da manhã um Conselho de Segurança Nacional em Madri, atingida por uma série de ataques contra trens 2004, que mataram 191 pessoas.

Ao mesmo tempo, realizou uma reunião de emergência reunindo altos funcionários dos serviços antiterroristas do país. Esta "comissão de avaliação da ameaça terrorista na Espanha" decidirá se vai aumentar ou não o alerta antiterrorista.

A Bélgica reforçou o controle de suas fronteiras em colaboração com a França, e o governo suíço mobilizou os seus serviços de segurança "em um estado de maior vigilância".

Portugal reforçou, por sua vez, a segurança nos aeroportos e em torno dos interesses franceses.

Os governos polonês, holandês, sueco e de Luxemburgo também devem realizar reuniões extraordinárias em matéria de segurança.

Fora da União Europeia, a Rússia, também envolvida no conflito sírio, colocou em alerta "alto" seu sistema de segurança "à luz das novas ameaças."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História