Pular para o conteúdo principal

Rebeca Arimi Suzuki

Rebeca Arimi Suzuki

Cultura: Das origens à atualidade (4/4) - Novos pontos de vista sobre cultura

Introdução pela repórter Larissa Alves 

Olá, você sabe o que é cultura? Cultura é um conjunto composto por conhecimentos, crenças, arte, moral, costumes e direito, adquiridos pelo homem na vida em sociedade. Confira outros pontos de vista sobre essa definição, na entrevista com o antropólogo Antônio Guerreiro

Como pode ser definido o conceito de cultura? 
Roy Wagner traz uma nova forma de olhar para isso dizendo o seguinte: "Olha, ao invés de a gente pensar na cultura como algo que exista si por si, é interessante pensar na cultura de dois modos; primeiro, como a discussão significativa da experiência humana. Seria uma definição bastante geral, mas que dá conta de toda uma diversidade de definições que atravessaram o século XX por exemplo; desde o culturalismo norte americano, passando pelo estruturalismo até a hermenêutica norte americana, o significado, o sentido, está no centro da definição de cultura. Roy Wagner propõe que a gente veja a cultura com essa dimensão significativa da experiência humana, se refira ela ao pensamento, se refira ela à ação. E mais: ao invés de a gente pensar nas culturas como objetos, coisas que existem em si, mas como a forma visível de uma relação entre diferentes modos de viver e experimentar o mundo, então a cultura não é uma coisa, não é algo que se tem, não é sinônimo de sociedade. A cultura é forma que assume a inter-relação de pelo menos dois modos de ser e estar no mundo, é o produto de uma diferença.

Qual a principal diferença entre os principais tipos de cultura?
Se uma cultura é o efeito entre dois modos diferentes de pensar e existir no mundo, o que define as diferenças são os modos como cada uma concebe as diferenças e relações, talvez essa seja a forma mais simples de tentar pensar como as culturas diferem entre si. Como elas pensam nas relações? Quais são os conceitos de relação e diferença que cada cultura define? Se a gente for pensar qual é o lugar da diferença na cultura ocidental no universo individualista moderno, a ideologia individualista moderna atribui diferença a um papel muito negativo, e o processo de construção de estados nação, passa por uma tentativa de suprimir as diferenças, de padronizar uma língua, uma religião, um modo de vida, um sistema de valores; isso é um modo um tanto quanto pejorativo, pelo qual a ideologia individualista vê a diferença. Os povos ameríndios, por exemplo, pensam de uma maneira totalmente diferente. A diferença é o lado do mundo. O mundo é todo feito de diferenças, e o grande desafio de experimentar esse mundo é tentar pensar: Como produzir relações? Como fazer pontes? Como construir modos de comunicação, de agenciamento?

Ainda podemos falar de cultura num mundo globalizado?
Essa é uma pergunta que os antropólogos têm feito desde, pelo menos, os anos 1950. Uma coisa interessante que o Levi Strauss diz na sua história é o de que qualquer coisa que aconteça no mundo, na história da humanidade, o conceito de cultura ainda vai ser algo interessante. O Marshall Sahlins tem um artigo que ficou famoso chamado "Por que a cultura não é um objeto em vias de extinção", onde ele conta as ideias da homogenização, da suposta homogenização mundial provocada pelo capitalismo, com os modos pelos quais o capitalismo, em um conjunto de ideias associado a ele, como por exemplo, a própria ideia de propriedade privada, o conceito de exploração, foram resignificados em diferentes partes do mundo, para mostrar como o capitalismo na China assume um conjunto muito particular de significado, e o Salhins argumenta em uma direção muito semelhante a de Strauss; enquanto houver qualquer tipo de diferença, enquanto houver diferença nos modos de atribuir sentido ao mundo, ainda vai ser válido pensar em cultura, porque quando a gente pensa em cultura, a gente está pensando justamente nessa dimensão significativa e fundamentalmente diversa da experiência humana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Yuki Furukawa (古川雄輝)

Perfil
Nome: Yuki Furukawa (古川雄輝)
Data de nascimento: 18/12/1987 (27 anos) 
Altura: 180 cm 
Peso: 60 kg
Terra natal: Tokyo, Japão
Profissão: Ator e modelo
Agência: Horipro
Línguas: Japonês e Inglês

Facebook: Yuki Furukawa Oficial
Twitter: Yuki Furukawa Oficial
Instagram: Yuki Furukawa Oficial
Blog: Yuki Furukawa Oficial 



Sobre
Yuki Furukawa é um ator e modelo do Japão. Nascido em Tokyo, ele se mudou para o Canadá, em Toronto, com sua família, quando tinha apenas 7 anos de idade. Morou 11 anos no exterior, sendo que, com 16 anos, mudou-se por conta própria a Nova York (EUA), como um estudante de pesquisa durante dois anos.
Voltou ao Japão quando tinha 19 anos. Ao regressar, teve dificuldades ao se adaptar com a língua e a cultura japonesa, já que no Japão, falar inglês no dia a dia é considerado falta de educação. 
Durante o ensino fundamental, ele pertenceu ao clube de basquete. Cursou a universidade de Keio, com especialidade para Ciências da Engenharia. 
Seu pai é médico e investigador na área de me…

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Ato II- Cena II

O mesmo.
Jardim de Capuleto
Entra Romeu

Romeu:Só ri das cicatrizes quem ferida nunca sofreu no corpo
Julieta aparece na janela
Mais silêncio!Que luz ecoa agora da janela?Será Julieta, o sol daquele oriente?Surge formoso sol,e mata a Lua cheia de inveja,que se mostra pálida, e doente de tristeza,por ter visto que,como serva,és mais formosa que ela.Deixa,pois, de serví-la.
Ela é invejosa.
Somente os tolos usam sua túnica de vestal, verde e doente;joga-a fora.És minha dama.Oh,sim!É meu amor!Se ela soubesse disso!Ela fala;contudo não diz nada.Que importa?Com o olhar está falando.Vou responder-lhe.
Não,sou muito ousado,não se dirige a mim.As duas estrelas do céu, as mais formosas,tendo tido qualquer ocupação,aos olhos dela pediram que brilhassem nas esferas até que elas voltassem.
Que se dera se ficassem lá no alto dos olhos dela,e em sua cabeça dois luzeiros?Suas faces nitentes(resplandecentes,brilhantes)deixariam corridas às estrelas, como o dia faz com a luz das candeias, e seus o…

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada.
Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas.

Sen to Chihiro no Kamikakushi (千と千尋の神隠し, nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento", que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa.
O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como:

A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Isso representa a…