[Resenha] Filmes da Tinkerbell (1 e 2) - Parte I

Hoje desde manhã até a tarde assisti todos (ou melhor, quase todos) os filmes da Tinkerbell.  Adoro essa fadinha, que cada vez que passa tem mais aventuras bem interessantes e envolventes com as suas amigas.
Amizade, confiança, comédia, mistério e acima de tudo, muita magia e pozinho mágico!
Adoro as amigas da Tink: Rosetta, Silvermist, Iridessa, Fawn e Vídia. Ah, também tem o Buble e o Clank (artesãos) e Terence, o melhor amigo da Tink.
Bem, o primeiro filme, intitulado "Uma aventura no mundo das fadas" é sobre o nascimento da Tinkerbell.
Enfim, logo que chega no Refúgio das Fadas, ela descobre que seu talento é ser uma fada artesã. Ela é apresentada ao seu novo lar por Clank e Buble, seus novos amigos, igualmente artesãos.
Tink fica muito feliz a princípio, mas depois de uma conversa com Vídia, ela fica cabisbaixa e quer "trocar de talento", porque quer "fazer algo útil", como suas amigas fadas da natureza.
Ela começa a treinar os talentos de suas amigas, mas falha em todas. De repente ela encontra uma bailarina (que na verdade é uma caixinha de música) e a conserta. Suas companheiras dizem que o artesanato é seu verdadeiro talento, mas Tink não dá ouvidos e pensa que as outras desistiram dela. Com isso, ela vai falar com Vídia, que pede a ela que capture os cardos. Tink confia em Vídia, mas acaba em uma confusão, que destrói todo o trabalho das fadas para a primavera. Tinkerbell fica muito triste e chateada com o acontecido, mas como toda artesã, ela dá um jeito de consertar tudo.
Com ajuda dos amigos, ela salva a primavera e consegue realizar seu sonho de ir ao continente. E assim, ela encontra a dona da bailarina, que fica feliz em reencontrá-la na janela do quarto

Crítica: O primeiro filme da Tinkerbell foi bem interessante (descobri de onde veio o vestido cortado dela, entre outras coisas). Vê-la nascer do riso de uma criança e vê-la surgir de um dente de leão foi simplesmente mágico.
"E pela primeira vez que um bebê ri, a vida de uma fada começa" 
A personalidade alegre e decidida de Tink, é algo que tenho em comum com elas, tal como sua enorme curiosidade.
A amizade de Tink com as outras fadas é algo que eu gosto demais! Ela sempre tem com quem contar para o que precisar, e isso está bem explicito no filme. Só acho que quando as amigas lhe disseram que ser artesã era seu verdeiro talento, talvez ela devesse escutá-las.
Ri muito com algumas cenas da Tink e de suas amigas, o que me fez gostar ainda mais do filme (que eu já tinha visto, aliás)
O final eu achei bem legal já que Tink ensinou a todos os seus amigos como fazeram tudo rapidinho com "objetos perdidos" para conseguirem salvar a primavera.
Quanto a Vídia, ri ao vê-la quebrar a cara, depois de descobrirem a verdade sobre os cardos. Bem feito!

No segundo filme da Tink, "Tinkerbell e o Tesouro Perdido", a protagonista fica responsável por criar o cetro do outono com a pedra da lua, que cria pozinho mágico azul.
Tink começa a trabalhar no cetro, e seu amigo Terence a ajuda todos os dias. No entanto, um certo dia, por um desentendimento, Tink e Terence brigam, e como se não bastasse a pedra da lua quebra (Tink não precisava ficar tão brava).
Com isso, após ver uma peça de teatro (que eu achei bem interessante) ela vai procurar pelo espelho mágico para consertar a pedra da lua, mas acaba que o desejo não se realiza. Por sorte, no fim seu amigo Terence aparece para ajudá-la (adorei essa parte, pois ele apareceu de repente e fez uma surpresa para Tink)
No fim, Tink consegue fazer o cetro e voltar ao refúgio das fadas em grande estilo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História