Pular para o conteúdo principal

Rebeca Arimi Suzuki

Rebeca Arimi Suzuki

[Análise] A Megera Domada - William Shakespeare


Primeira Parte - Introdução e Resenha 

Introdução 
A Megera Domada é uma comédia escrita por William Shakespeare, na qual o objetivo é satirizar alguns costumes e tradições de sua época. Vale lembrar que quando Shakespeare escreveu a peça, a Inglaterra estava sob o comando de Elizabeth I, a Rainha Virgem, sendo esse o contexto histórico da obra

Resenha 
(somente a trama principal)

A peça tem como centro a bela Catarina, chamada de Megera por ser temperamental e por isso, temida pelos homens. A trama principal é a respeito da conquista da Megera, para que possa casar.
A princípio, só há pretendentes para Bianca, a mais nova e muito cobiçada, porém, o pai deseja que a mais velha (Catarina) case primeiro. É então que surge Petruccio, que por sua vez, é muito esperto, e também, interesseiro.
Diante da proposta de Petruccio, o pai aceita que o mesmo case com a sua indomável filha. O casamento foi feito sem a permissão da garota, mas mesmo assim, corre tudo bem.
Logo depois do casamento, Petruccio promete que fará de tudo para a esposa ser feliz e não deixará que nada lhe aconteça. Isso faz com que Catarina se transforme em alguém dócil e obediente (muda da água para o vinho, literalmente) e em pouco tempo, o marido consegue domá-la.

Segunda Parte - Análise da obra

2.1 - Estrutura da obra 

a) Divisão 
A obra é formada por atos e cenas, típico do gênero dramático.

b) Rubricas
As rubricas indicam observações. Ou a respeito do que acontece na cena ou sobre quem entra ou sai de cena 

c) Diálogos:
As falas das personagens são em sua maioria, feita por rimas, o que dá ritmo à peça 

d) Antiguidade 
Shakespeare aponta, algumas vezes, escritores da Antiguidade, como Ovídio, por exemplo, até divindades gregas/romanas, como por exemplo Atena/Minerva, de modo a deixar a obra com uma forma mais bonita (apresentável) e poética.

e) Humor 
Shakespeare utiliza o bom humor para satirizar alguns fatos da época, tal como retratar algumas cenas. Por exemplo, ninguém imaginava que um dia iria aparecer alguém disposto a casar-se com a Megera Catarina, mas ao mesmo tempo que parece absurdo e hilário, o leitor consegue encarar como algo possível, devido ao bom humor usado por Shakespeare 
Outra coisa a se destacar é que o fato de Petruccio ser mais bruto e temperamental é uma forma de satirizar  os demais cavalheiros da sociedade (formais, gentis, delicados)

f) Personagens 
A maioria dos personagens (Bianca, pai de Catarina, criados, pretendentes, etc) são planas (não mudam a personalidade durante a trama). Entretanto, Catarina é esférica (muda a personalidade/comportamento) pois no começo ela é extremamente bruta e geniosa, e depois torna-se mais submissa, dócil e gentil


2.2 - Costumes e Humanidade

[Na obra, é possível fazer uma análise das tradições e dos comportamentos humanos]

a) Costumes da época
Em sua obra, Shakespeare retrata com clareza alguns aspectos da sociedade da época em que viveu:
♦ A tradição de a filha mais velha ter que casar primeiro
♦ A necessidade de pedir permissão ao pai para cortejar a filha
♦ A submissão da mulher em relação ao pai (patriarcalismo) e ao marido
♦ A noiva deveria dar o dote ao marido quando se casassem 

b) Amor x Casamento arranjado 
No início, o casamento de Catarina e Petruccio não tinha nada de emocional, uma vez que era apenas obrigação a filha casar-se cedo. Filosoficamente, é possível que se pergunte: "Será que existe amor nesse casamento?" Sim, é possível que tenha, mas só se pode presumir que exista alguma emoção nessa relação a partir do momento que a Megera vai se tornando mais meiga e dócil

c) Feminismo 
Catarina não quer se casar, pois não quer viver sob a tutela de um homem. Embora Catarina seja feminista (impor sua vontade) ela sozinha não consegue se sobrepor à tradição da época (se submeter ao homem, no caso seu pai, que deseja o casamento)

Extras 

Frases 

Comentários

  1. Parabéns pela análise. A minha filha está no sétimo ano e leu agora a Megera Domada e o seu trabalho a ajudou bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por comentar e visitar o blog. É muito gratificante saber que pude ajudar quem precisa. Abraços

      Excluir
  2. Adorei a análise, esclareceu muitas coisas, usarei algumas coisas,ok?! porém não se preocupe colocarei às devidas referências.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Yuki Furukawa (古川雄輝)

Perfil
Nome: Yuki Furukawa (古川雄輝)
Data de nascimento: 18/12/1987 (27 anos) 
Altura: 180 cm 
Peso: 60 kg
Terra natal: Tokyo, Japão
Profissão: Ator e modelo
Agência: Horipro
Línguas: Japonês e Inglês

Facebook: Yuki Furukawa Oficial
Twitter: Yuki Furukawa Oficial
Instagram: Yuki Furukawa Oficial
Blog: Yuki Furukawa Oficial 



Sobre
Yuki Furukawa é um ator e modelo do Japão. Nascido em Tokyo, ele se mudou para o Canadá, em Toronto, com sua família, quando tinha apenas 7 anos de idade. Morou 11 anos no exterior, sendo que, com 16 anos, mudou-se por conta própria a Nova York (EUA), como um estudante de pesquisa durante dois anos.
Voltou ao Japão quando tinha 19 anos. Ao regressar, teve dificuldades ao se adaptar com a língua e a cultura japonesa, já que no Japão, falar inglês no dia a dia é considerado falta de educação. 
Durante o ensino fundamental, ele pertenceu ao clube de basquete. Cursou a universidade de Keio, com especialidade para Ciências da Engenharia. 
Seu pai é médico e investigador na área de me…

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Ato II- Cena II

O mesmo.
Jardim de Capuleto
Entra Romeu

Romeu:Só ri das cicatrizes quem ferida nunca sofreu no corpo
Julieta aparece na janela
Mais silêncio!Que luz ecoa agora da janela?Será Julieta, o sol daquele oriente?Surge formoso sol,e mata a Lua cheia de inveja,que se mostra pálida, e doente de tristeza,por ter visto que,como serva,és mais formosa que ela.Deixa,pois, de serví-la.
Ela é invejosa.
Somente os tolos usam sua túnica de vestal, verde e doente;joga-a fora.És minha dama.Oh,sim!É meu amor!Se ela soubesse disso!Ela fala;contudo não diz nada.Que importa?Com o olhar está falando.Vou responder-lhe.
Não,sou muito ousado,não se dirige a mim.As duas estrelas do céu, as mais formosas,tendo tido qualquer ocupação,aos olhos dela pediram que brilhassem nas esferas até que elas voltassem.
Que se dera se ficassem lá no alto dos olhos dela,e em sua cabeça dois luzeiros?Suas faces nitentes(resplandecentes,brilhantes)deixariam corridas às estrelas, como o dia faz com a luz das candeias, e seus o…

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada.
Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas.

Sen to Chihiro no Kamikakushi (千と千尋の神隠し, nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento", que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa.
O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como:

A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Isso representa a…