Pular para o conteúdo principal

Rebeca Arimi Suzuki

Rebeca Arimi Suzuki

[Conto] George Washington e a Cerejeira

George Washington morava numa fazenda no estado da Virgínia quando era criança. Seu pai ensinou-lhe a andar a cavalo e o levava com ele quando passeava pela fazenda. Assim George aprenderia a cuidar dos campos, dos cavalos e dos bois quando crescesse. 

O pai de George havia plantado um pomar com macieiras, pessegueiros, pereiras, ameixeiras e cerejeiras. Certa vez lhe enviaram de longe uma muda de cerejeira. O senhor Washington plantou-a na parte mais alta do pomar, e disse a todos que cuidassem dela para que não se quebrasse.

A cerejeira cresceu bonita e na primavera cobriu-se de botões brancos. O senhor Washington ficou todo contente de pensar nas cerejas que viriam da arvorezinha.

Nesta mesma época, George ganhou um machado novo. E saiu com ele cortando galhos, tirando lascas das cercas e tudo o que visse pela frente. Até que chegou ao topo do pomar e, só pensando em como o seu machado era bom, golpeou a cerejeira. O tronco era tão macio e fácil de cortar que George derrubou a árvore instantaneamente, e continuou brincando.

No fim da tarde, depois de inspecionar a fazenda, o senhor Washington deixou seu cavalo no estábulo e foi ver a sua cerejeira. Ficou horrorizado quando viu que havia sido cortada.

"Quem poderia ter feito uma coisa dessas?"

Perguntou a todos, mas ninguém sabia dizer.

Foi quando George passou por ele.

- George, - chamou o pai zangado - você sabe quem matou a minha cerejeira?

Foi uma pergunta difícil, e George titubeou por um momento, mas logo disse:

- Não posso mentir, papai. Fui eu que cortei a árvore com o machado.

O senhor Washington olhou para George. O rosto do menino estava pálido, mas ele olhava firme para o pai.

- Vá para dentro, George. - disse o pai.

George foi para a biblioteca e esperou pelo pai. Estava muito triste e envergonhado. Sabia que tinha sido tolo e inconseqüente e que seu pai tinha razão em estar bravo.

Pouco depois, o senhor Washington olhou-o longa e fixamente.

- Diga-me, por que você cortou a árvore?

- Eu estava brincando e não pensei... - George gaguejou.

- E agora a árvore vai morrer. Nunca comeremos cerejas dela. Mas o pior de tudo é que você não tomou conta dela quando eu lhe pedi.

George abaixou a cabeça e seu rosto corou de vergonha.

- Desculpe-me, papai. - disse ele.

O senhor Washington colocou a mão no ombro do filho.

- Olhe para mim.- disse. - Eu estou triste por ter perdido a cerejeira, mas feliz por você ter tido coragem de me contar a verdade. Prefiro ter um filho honesto e corajoso a ter um pomar inteiro cheio das melhores árvores. Nunca se esqueça disso, meu filho.

George Washington nunca se esqueceu. Durante toda a sua vida ele se manteve tão corajoso e honrado como naquele dia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Yuki Furukawa (古川雄輝)

Perfil
Nome: Yuki Furukawa (古川雄輝)
Data de nascimento: 18/12/1987 (27 anos) 
Altura: 180 cm 
Peso: 60 kg
Terra natal: Tokyo, Japão
Profissão: Ator e modelo
Agência: Horipro
Línguas: Japonês e Inglês

Facebook: Yuki Furukawa Oficial
Twitter: Yuki Furukawa Oficial
Instagram: Yuki Furukawa Oficial
Blog: Yuki Furukawa Oficial 



Sobre
Yuki Furukawa é um ator e modelo do Japão. Nascido em Tokyo, ele se mudou para o Canadá, em Toronto, com sua família, quando tinha apenas 7 anos de idade. Morou 11 anos no exterior, sendo que, com 16 anos, mudou-se por conta própria a Nova York (EUA), como um estudante de pesquisa durante dois anos.
Voltou ao Japão quando tinha 19 anos. Ao regressar, teve dificuldades ao se adaptar com a língua e a cultura japonesa, já que no Japão, falar inglês no dia a dia é considerado falta de educação. 
Durante o ensino fundamental, ele pertenceu ao clube de basquete. Cursou a universidade de Keio, com especialidade para Ciências da Engenharia. 
Seu pai é médico e investigador na área de me…

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Ato II- Cena II

O mesmo.
Jardim de Capuleto
Entra Romeu

Romeu:Só ri das cicatrizes quem ferida nunca sofreu no corpo
Julieta aparece na janela
Mais silêncio!Que luz ecoa agora da janela?Será Julieta, o sol daquele oriente?Surge formoso sol,e mata a Lua cheia de inveja,que se mostra pálida, e doente de tristeza,por ter visto que,como serva,és mais formosa que ela.Deixa,pois, de serví-la.
Ela é invejosa.
Somente os tolos usam sua túnica de vestal, verde e doente;joga-a fora.És minha dama.Oh,sim!É meu amor!Se ela soubesse disso!Ela fala;contudo não diz nada.Que importa?Com o olhar está falando.Vou responder-lhe.
Não,sou muito ousado,não se dirige a mim.As duas estrelas do céu, as mais formosas,tendo tido qualquer ocupação,aos olhos dela pediram que brilhassem nas esferas até que elas voltassem.
Que se dera se ficassem lá no alto dos olhos dela,e em sua cabeça dois luzeiros?Suas faces nitentes(resplandecentes,brilhantes)deixariam corridas às estrelas, como o dia faz com a luz das candeias, e seus o…

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada.
Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas.

Sen to Chihiro no Kamikakushi (千と千尋の神隠し, nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento", que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa.
O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como:

A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Isso representa a…