[Frases] De Repente, Ana - Marina Carvalho (Parte 4)

"Eu sentia que chegava o momento de tomar uma atitude mais definitiva, para o bem do nosso relacionamento. Ela precisava acreditar de uma vez por todas que não havia outra mulher no mundo para mim, nem que para isso a gente precisasse... se casar" - Alexander - (Capítulo 25 - Alex).

"Ana, confesso que, no começo, queria enquadrá-la nos padrões palacianos. Agora, penso que, se tivesse conseguido, metade do seu charme teria evaporado." - Ivan para Ana - (Capítulo 26 - Vai ter que ser assim).

"Você é do jeito que é, e todo mundo a adora assim." - Ivan para Ana - (Capítulo 26 - Vai ter que ser assim).

"Esfreguei os cabelos, tentando, com o gesto involuntário, clarear a mente. De alguma forma, nada daquilo fazia sentido. A Ana não desapareceria de propósito, sabendo que deixaria todo mundo preocupado, ainda mais na condição de substituta do rei" - Alexander - (Capítulo 27 - Alex).

"Marcus me jogou sobre a cama com tanta força que o estrado rangeu. Pensei que fosse que fosse quebrar com o impacto. Mas não foi isso que me deixou com medo. Foi o olhar mortífero do meu tio-torto e a fúria que exalava dentro dele quando prendeu um dos meus pulsos na cabeceira. De novo. Como ele era mau! - Ana Markov - (Capítulo 28 - Cativeiro dos infernos).

"No entanto, naquele momento, imaginar o que a Ana poderia estar sendo obrigada a suportar, sozinha, num lugar qualquer, me deixava infinitamente mais arrasado. Eu não fui capaz de protegê-la, e ela não confiou em mim o suficiente para contar sobre as ameaças." - Alexander - (Capítulo 29 - Alex).

"Fiquem tranquilas. E não se esqueçam de cuidar do meu cachorro." - Ana Markov a tia Marieva - (Capítulo 30 - Nenhuma cachorra merece ser chamada de Laika).

"Não existe crime perfeito" - Rei Andrej - (Capítulo 31 - Alex).

"Pode ser que o cara seja A cara - prossegui, ainda sussurrando - Se é que você me entende. Mas não importa. Homem ou mulher, o canalha vai pagar por cada segundo que fez a Ana sofrer. Cada maldito segundo." - Alexander para Laika - (Capítulo 32 - Alex).

"Levei uma mão ao pescoço e toquei o colar com o pingente de rosa. Não conseguia ficar sem ele desde que ganhara de presente do meu pai. A joia pertencera à avó que eu não conheci, e mais tarde, à mãe de Alexander. Logo ela seria de outra pessoa. E eu me tornaria a nova tragédia da família Markov depois da bisavó Catarina." - Ana Markov - (Capítulo 33 - Devaneios).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História