Discurso de Alícia Moraes de Bragança & Lima

Boa noite. Eu sou Alícia Moraes de Bragança e Lima, neta de Narciso Moraes de Bragança e Lima. Muitos de vocês devem me conhecer desde que eu tinha cinco anos. Eu era aquela pirralha de quem o vô Narciso corria atrás, pedindo que eu não jogasse bolo na cara de ninguém. Eu não sei se todos vocês estão achando essa festa tão estranha quanto eu. Talvez estejam. Uma festa que reúne tanta gente do Conglomerado Lima sem o vô Narciso é como... se faltasse o aniversariante, ou se o noivo não aparecesse no Casamento 
O vovô adorava festas. Dizia que eram as noites mais especiais do ano, em que podia reencontrar velhos amigos e fingir que tinha trinta anos outra vez. Se estivesse aqui hoje, ele estaria rindo, falando com todos, saindo sorrateiramente para fumar seu charuto às escondidas. "Eu não fumo, Alícia!", ele diria com o rosto corado quando eu o flagrasse. E mais tarde, no fim da festa, quando todos os convidados já tivessem partido, ficaríamos os dois aqui, ele pediria um pouco de bolo e comeríamos sentados no chão, e ele me perguntaria o que achei de seu discurso. 
Às vezes ele me tirava para dançar. E outras vezes ficávamos apenas ouvindo a orquestra tocar, um apoiado ao outro, exaustos. Foi isso que fizemos todos esses anos. Estou contando isso porque queria que todo mundo conhecesse o vô Narciso como eu conheci. Um homem simples, decente e honrado, que jamais usou ninguém para alcançar o sucesso, que adorava se deitar ao meu lado para ver desenho animado nos momentos de folga , que fazia questão de me levar para a escola todas as manhãs, mesmo se tivesse que adiar uma reunião importante
Um homem correto, que me dava bronca por falar palavrão, mas que às vezes deixava escapar alguns quando dava algumas topadas... e o vovô dava muitas topadas. Um avô que me fez entender que é preciso respeitar as regras e dizer a verdade sempre...
Um avô que foi pai, mãe, amigo, que enfrentou a perda do filho e da nora, sem jamais desmoronar, para que eu pudesse ter um porto seguro. Imagino o quanto isso deve ter custado a ele, mas esse era o meu avô, sempre se colocando em segundo plano para que eu pudesse ser feliz. E eu fui muito feliz
Prometo fazer tudo o que estiver ao meu alcance para me tornar a mulher que ele sonhou. Vou dar o melhor de mim para que vocês, acionistas e funcionários, se sintam felizes por trabalharem comigo. Vou me esforçar para um dia ocupar o lugar de vô Narciso honradamente. Até lá, Hector Simione, que todos já conhecem de longa data, permanecerá nesse posto. Então, como essa é a primeira vez que vô Narciso não está aqui... de corpo presente eu gostaria de concluir dizendo o que ele não se cansou de repetir ao final de seus discursos: "Bebam, comam, se divirtam esta noite, porque amanhã, meus amigos, a batalha continua e todos voltamos para o mundo real"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História