Pular para o conteúdo principal

Pitágoras

Ideia central de Pitágoras: O número é regente das formas e ideias.


A respeito de Pitágoras, sabe-se que ele foi um pensador grego que aprendeu rudimentos da Geometria e por isso desenvolveu grande raciocínio lógico, e o usava como base do pensamento filosófico a ciência e a matemática.
Entretanto, ao mesmo tempo que era racional, ele também era extremamente religioso e supersticioso, acreditava na transmigração e na reencarnação das almas.
Também dizem que os pitagóricos (seguidores de Pitágoras) viam as ideias do mestre como revelações místicas (divinas)
Embora as duas faces do pensamento pitagórico pareçam incompatíveis, o filósofo não as viam de tal forma. Para ele, o objetivo da vida é libertar-se do ciclo da reencarnação, que pode ser obtido com a adesão de um rígido conjunto de regras de comportamento por meio da contemplação (o que chamaríamos de pensamento filosófico científico objetivo)
Famoso pelo Teorema de Pitágoras (a soma dos catetos ao quadrado é igual à hipotenusa ao quadrado), já nessa época ele mostrou que isso servia para todo triângulo reto, e que tem como base o triângulo de lado 3, 4, 5. Seja como for, isso foi outra ideia "divina"
De Pitágoras também são conhecidas as suas habilidades para vários outros ramos do conhecimento que ele explicava a partir de princípios matemáticos. Determinou as razões dos intervalos consonantes (o número de notas entre duas notas que determina se elas vão tocar harmoniosamente juntas) Explicava que isso estava ligado com o princípio da razão e da proporção. 
Em uma de suas mais célebres citações, ele afirma:
"Há geometria no som das cordas, há música no espaçamento das esferas"
Pitágoras também estabeleceu que existia uma relação harmônica entre os astros, estrelas e planetas.
Outra contribuição deste filósofo diz respeito ao raciocínio dedutivo, que foi melhorado ao longo dos séculos.
No ramo da filosofia, uma das mais importantes contribuições foi que o pensamento abstrato é superior à evidência dos sentidos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss