Pular para o conteúdo principal

O tecelão do céu

Há muito tempo atrás, na terra do sol nascente, Sei, um jovem agricultor estava preparando suas terras para o plantio.
Sozinho no mundo e muito triste, pois a mãe, que era tecelã, havia falecido recentemente e não havia ninguém para ajudá-lo nessa tarefa.
Eis que estava ele semeando e, de repente, viu uma cobra rastejando no chão.
Sei percebeu que a cobra deslizou firmemente em direção a uma moita de crisântemos, onde havia uma aranha suspensa por um fio de seda da teia. A aranha fez Sei lembrar da mãe - pequena e indefesa - e imediatamente levou a cobra para bem longe com seu ancinho.
A aranha, surpresa com a bondade de Sei, olhou para ele. Sei nunca percebeu, pois além da aranha ser pequena, ele havia retornado ao trabalho.

Passado alguns dias, uma jovem bateu à sua porta. ela se curvou e perguntou se ele precisaria de alguém para tecer.
Sei ficou surpreso, pois ele realmente precisava, mas não havia comentado com ninguém desde a morte de sua mãe e perguntou à jovem:
- Como você sabe que preciso de alguém?
Timidamente, a jovem respondeu:
- Eu sei. Ficarei feliz se puder ajudar.
Muito feliz e grato, Sei levou a jovem ao quarto de tecelagem de sua mãe. Enquanto a jovem trabalhava tecendo, Sei continuou seu trabalho no campo.
À noite, Sei voltou pra casa, bateu na porta do quarto de tecelagem e, já pensando que ninguém poderia ser comparado à sua mãe, perguntou:
- Terminou alguma obra?
A jovem abriu a porta e, para sua surpresa, segurava em cada braço, uma dúzia de belas peças de tecido, suficiente para um quimono.
- Impossível, como pode fazer tantos? perguntou Sei.
A jovem apenas respondeu:
- Prometa que não vai mais fazer essa pergunta, nem entrar no quarto enquanto eu estiver trabalhando.
- Eu prometo - respondeu Sei.
Dia após dia, Sei descobria que a jovem havia tecido peças cada vez mais bonitas e delicadas.
Até que um dia, Sei implorou à jovem:
- Por favor, diga como você consegue fazer tantas e tão belas peças.
Ela apenas respondeu:
- Lembre-se de sua promessa.
Após algumas semanas, a curiosidade o venceu. Em uma tarde, em direção à sua casa, Sei viu a janela do quarto de tecelagem aberta e pensou que não estaria quebrando a promessa, caso espiasse.
Silenciosamente e na ponta dos pés, olhou pela janela.
Sei quase desmaiou.
Diante do tear não havia nenhuma jovem, mas uma enorme aranha com oito pernas. Sei não acreditava, olhou de novo.
Lembrou-se da pequena aranha que tinha ajudado e entendeu que esta era a sua recompensa.
Sei não sabia como expressar sua gratidão, ao mesmo tempo não queria que soubesse que tinha quebrado a promessa.
Sei percebeu ali, que a aranha precisava de mais algodão.
No dia seguinte, antes do amanhecer, Sei partiu para uma aldeia distante em busca de algodão.
Comprou e colocou o pacote em suas costas.
Cansado do peso e, depois de muito tempo, quando chegou ao topo, parou e sentou-se em uma pedra para descansar. Sei cochilou e não percebeu a mesma cobra que ele havia expulsado algumas semanas atrás.
A cobra o viu e não perdeu a chance. Entrou no pacote de algodão que Sei trazia.
Chegando em casa, Sei entregou o pacote à jovem. Ela se curvou agradecendo, sorriu e voltou para o quarto de tecelagem.
No quarto, a jovem se transformou na aranha. A aranha começou a consumir o algodão, engolindo o mais rápido possível para que pudesse girar em fio de prata.
Quando chegou ao final do pacote, inesperadamente, a cobra apareceu abrindo a boca.
Aterrorizada, a aranha saltou pela janela. Mas a cobra a alcançou.
Quando estava prestes a engoli-la, um raio de sol que atingia o punhado de algodão que saía pela boca da aranha, levantou-a e puxou para o céu.
Para mostrar sua gratidão, a aranha usou todo o algodão que tinha engolido, não mais para tecer pano, mas para tecer flocos de nuvens no céu.
Por isso, em japonês, a palavra "kumo" significa nuvem e aranha.

Fonte: Anime Shoujo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss