Pular para o conteúdo principal

Lao -Tsé (taoismo)

No século VI a.C, a China avançou para um estado de guerra intensa quando o governo da dinastia Chou desintegrou-se.
Essa mudança criou, dentro das cortes, uma nova classe social de administradores e magistrados, encarregados planejar estratégias para governar de maneira mais eficaz.
O amplo conjunto de ideias criadas por esses funcionários foi conhecido como as 100 Escolas de Pensamento.
Isso coincidiu com o surgimento da filosofia na Grécia, com a qual se partilhou algumas preocupações, como buscar estabilidade num mundo em constante mudança e alternativas ao que anteriormente fora determinado pela religião.
Mas, a filosofia chinesa evoluiu a partir da prática política, e portanto, estava preocupada com moralidade e ética, em vez da natureza dos cosmos
Uma das ideias mais importes dessa época veio do Tao Te Ching (O livro do caminho e da virtude), atribuído a Lao - Tsé. Foi uma das primeiras tentativas a propor uma teoria de governo justo, baseada na virtude (te), que poderia ser encontrada ao seguir o tao (caminho) É a base da filosofia conhecida como taoismo.
A fim de entender o conceito de tao é necessário saber como os antigos chineses viam o mundo em mutação: Para eles, as mudanças são cíclicas, movendo-se continuamente de um estado para outro - da noite para o dia, do verão para o inverno, e assim por diante. Os diferentes estados não eram considerados opostos, mas relacionados, um surgindo do outro.
Tais estados também possuiriam propriedades complementares, que juntas compõe um todo. O processo de mudança seria uma expressão do tao, conduzindo às 10 mil manifestações que formam o mundo.
Lao-Tsé no Tao Te Ching, diz que os humanos são apenas uma dessas manifestações e não tem status especial.
Por causa do nosso desejo e do livre arbítrio, podemos nos desviar do tao e perturbar o equilíbrio harmonioso do mundo.
Viver uma virtuosa significa agir de acordo com o tao. No entanto, seguir o tao não é uma questão simples, como o Tao Te Ching reconhece.
Filosofar sobre o tao é inútil, visto que ele está além de qualquer coisa que os humanos possam conceber. É caracterizado pelo wu (não ser) de modo que só podemos viver segundo o tao por meio do wu wei (não ação)
Com isso, Lao-Tsé não prega o "não fazer", mas sim, o "agir de acordo com a natureza" - espontânea e intuitivamente. 
Isso acarreta em agir sem desejo, ambição ou submissão às convenções sociais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss