Pular para o conteúdo principal

Kamigami no Asobi

Ficha técnica: 
Título: Kamigami no Assobi (神々の悪戯)
Ano: 2014
Direção: Kawamura Tomoyuki
Produtora: Brain's Base
Script e composição da série: Tomoko Konparu 
Gênero: Romance, Harém Reverse, Aventura, Fantasia, Amizade, Bishounen
Tema de abertura: Till the End (até o fim)
Tema de encerramento: Reason For... (Razão para...)

Sinopse
“Kamigami no Asobi” terá como protagonista Kusanagi Yui, garota de um templo xintoísta que, ao descobrir uma espada incomum, é transportada para um mundo onde se encontra com Zeus, o deus maior da mitologia grega.
Ele convida Yui a prestar aulas numa escola que acabou de criar, e por uma razão bem simples e totalmente lógica; com o intuito de impedir que os elos entre humanos e deuses enfraqueçam ainda mais, Yui será encarregada de ensinar o significado do amor para os jovens e belos seres divinos dessa escola, tais como um Apolo nobre e carismático, um Loki travesso e um Anúbis que tem pinta de ser uke de todo mundo.


Minha opinião sobre o anime
Kamigami no Assobi é um anime que, de primeira, não me chamou muita atenção, mas ao ver como as coisas entre Yui e os deuses se desenrolam, eu fui gostando. Yui é a típica protagonista da maioria dos animes: carismática com todos, é sociável e determinada.
Mesmo com Hades, o deus grego do inferno, a garota se deu bem, e o fez sentir mais confortável, como alguém normal, que apesar de ter infortúnios, pode ter seus momentos de felicidade. 
Aos poucos, Yui conquista cada um deles de um jeito diferente, mas sempre tendo o objetivo de que todos possam desfrutar e aprender cada dia mais.
Fizeram o festival da escola, foram à praia, estudaram juntos para as provas finais (ou pelo menos essa era a intenção), e até mesmo fizeram uma peça de teatro. 
E ainda há muito mais por vir.

Comentários

  1. Gostei bastante do anime (até fiz questão de falar sobre o assunto em um post no meu blog), porque a Yui não era bobona e os outros personagens eram encantadores de uma maneira bem humana e identificável (mesmo sendo deuses, seres supostamente invencíveis, tinham problemas parecidos com os nossos).
    Abraços,
    Cabeças de Vento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Desculpa a demora para responder.
      Eu também gostei bastante deste anime (apesar de ser curto, valeu a pena assistir!)
      Queria que tivesse uma continuação...
      Abraços,
      Rebeca

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss