Pular para o conteúdo principal

Hazel Grace Lancaster

Hazel Grace é a protagonista do livro "A Culpa é das Estrelas", de John Green.
Ela tem olhos verdes, pele clara, e cabelo curto.
Tem 16 anos de idade e mora em Indiana, nos Estados Unidos.
Foi diagnosticada com câncer de tireoide e metástases nos pulmões aos 13 anos de idade.
Por isso ela toma remédios e usa tubos de oxigênio que a ajudam a respirar
Sua mãe solicitou que frequentasse um Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Lá, conheceu Augustus Waters, com quem desenvolveu uma grande amizade, e logo, um romance. Também ficou amiga de Issac (que um pouco depois fica cego) e de uma menina portadora de leucemia
Parou de estudar há 3 anos, mas concluiu o Ensino Médio mais cedo, e frequentou a faculdade da cidade por um tempo, onde fez amizade com Kaitlyn.
Adora ler e seu livro favorito é "Uma aflição imperial", do escritor Peter Van Houten.
Ela quer imensamente saber o final da história do livro, tal como o que acontece com a mãe da Anne (a personagem principal) e por isso parte a uma viagem para a Holanda (junto com sua mãe e Augustus)
Também gosta de assistir ao reality show American Next Top Model sempre que pode.
Sua personalidade é difícil de se definir: Se por um lado, Hazel consegue ser uma menina carismática, atenciosa e sentimental, de outro lado ela tem um temperamento forte e é determinada.
Por ela mesma, sabe que um dia irá morrer (se compara a uma granada), e não quer depender dos outros, e nem que as pessoas vivam em função dela por causa da doença
Tem pais muito protetores que a ajudam em tudo, principalmente a mãe. Mais no final da história, seus pais explicam que a protegem para que ela não se sinta abandonada, pois se importam muito com a filha.

Frases de Hazel Grace Lancaster

"— Não posso falar da nossa história de amor, então vou falar de matemática. Não sou formada em matemática, mas sei de uma coisa: existe uma quantidade infinita de números entre 0 e 1. Tem o 0,1 e o 0,12 e o 0,112 e uma infinidade de outros.
Obviamente, existe um conjunto ainda maior entre o 0 e o 2, ou entre o 0 e o 1 milhão. Alguns infinitos são maiores que outros. Um escritor de quem costumávamos gostar nos ensinou isso.
Há dias, muitos deles, em que fico zangada com o tamanho do meu conjunto ilimitado. Queria mais números do que provavelmente vou ter, e, por Deus, queria mais números para o Augustus Waters do que os que ele teve. Mas, Gus, meu amor, você não imagina o tamanho da minha gratidão pelo nosso pequeno infinito. Eu não o trocaria por nada nesse mundo. Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados, e sou muito grata por isso."

"— Eu sou tipo. Tipo. Sou tipo uma granada, mãe. Eu sou uma granada e, em algum momento, vou explodir, e gostaria de diminuir a quantidade de vítimas, tá?"

"Enquanto ele lia, me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: Gradativamente e de repente."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss