Pular para o conteúdo principal

Aristóteles

Aristóteles é da Macedônia, e viajou a Grécia para estudar em Atenas. Foi discípulo de Platão, e apreciava muito os ensinamentos do mestre, mas também discordava com ele em um ponto:
Para Aristóteles, não havia a necessidade de existir um mudo hipotético das ideias, quando a realidade está inserida na própria Terra. Em outras palavras, a essência está contida na realidade.
Talvez pelo fato de seu pai ter sido médico, Aristóteles foi mais voltado à área de biológicas, enquanto Platão se baseava na matemática. Isso fez com que ambos tivessem uma considerável divergência de ideias, já que a geometria explica fatos abstratos longe do cotidiano, e a biologia, e baseada na observação.

Em sua teoria, Aristóteles considerava que certas constantes podem ser descobertas investigando-se o mundo natural. Sem desconfiar de nossos sentidos, ele contava com eles na busca pela evidência de suas teorias.
Desse modo, Aristóteles dizia que o conhecimento não era inato, mas sim, adquirido pela experiência e observação através dos sentidos. Também dizia que para reconhecer o que é eterno e imutável era necessário observar como uma determinada coisa se manifesta em nossa volta.

Aristóteles também foi o responsável por formular uma nova forma de raciocínio lógico denominada silogismo, que permaneceu como a base da lógica até o século XIX. Ao usar o raciocínio analítico na forma lógica, Aristóteles compreendeu que o poder da razão era baseado nos sentidos, que deve ser, portanto, uma característica inata
Aristóteles também percebeu que a razão é o que nos distingue dos demais seres vivos, e por isso, nos coloca no topo da hierarquia

Aristóteles viveu no fim de um período, e Alexandre o Grande, a quem havia ensinado, morreu pouco antes do início do Período Helenístico na Grécia.
Com tantos acontecimentos num mesmo período, diversas obras de Aristóteles foram perdidas. Felizmente, algumas foram preservadas para a posteridade, por seus discípulos.
Aristóteles teve uma grande importância para a filosofia. Na Idade Média, Tomás de Aquino integrou a obra aristotélica à filosofia cristã ("cristianizou Aristóteles").
Durante o Renascimento, o método empírico de investigação de Aristóteles teve grande importância.
Durante o Iluminismo, ou "A Era da Razão", filósofos racionalistas e empiristas discutiram suas ideias a respeito de um mesmo assunto, e assim, mais uma vez há um debate entre pensadores, tal como havia ocorrido com Platão e Aristóteles.

Minha visão sobre Aristóteles
Aristóteles foi um dos grandes pensadores da época antiga. Logicamente que, estudando em Atenas, pode ter a oportunidade de aprender mais sobre a filosofia.
O interessante é que, mesmo sendo discípulo de Platão, as ideias de ambos sobre como chegar à razão foram bem distintas, e talvez seja isso que me chame atenção quando eu estudo/leio filosofia ou história: Um discípulo aprende com seu mestre, mas pode tirar suas próprias conclusões.
Também me felicita saber que foi Aristóteles quem elaborou a Constituição de Atenas, e educou Alexandre, o Grande. Além disso, outra coisa que me chama a atenção em Aristóteles, é o fato de como suas teorias foram extremamente influentes e importantes para a posteridade. Vejo isso como algo incrível, um legado simplesmente admirável!

Fonte:
O Livro da Filosofia - Editora Globo

Saiba mais em: Aristóteles (informações do livro "O Mundo de Sofia")

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss