Pular para o conteúdo principal

Trono de Fogo - As Crônicas dos Kane (Volume #02)

Sinopse
Os deuses do Egito Antigo foram libertados, e desde então Carter Kane e sua irmã, Sadie, vivem mergulhados em problemas.
Seu inimigo mais ameaçador, Apófis, está se erguendo, e em poucos dias o mundo terá um final trágico. Para terem alguma chance de derrotar as forças do caos, precisarão da ajuda de Rá, o deus sol.
Despertá-lo não será fácil: nenhum mago jamais conseguiu. Carter e Sadie terão de rodar o mundo em busca das três partes do Livro de Rá, para só então começarem a decifrar seus encantamentos. E, é claro, ninguém faz ideia de onde está o deus.

Minha resenha
(15/04/14)
Quero ler toda a trilogia de "As Crônicas dos Kane", pois os livros do Rick Riordan são excelentes!
Esse livro me interessou especialmente pelo desfecho do primeiro ("A Pirâmide Vermelha"), porque eu quis muito saber qual seria a participação de Set na história, e também como os irmãos Kane iriam derrotar a serpente Apófis.
Sinceramente, gosto mais da Sadie (não que o Carter seja desprezível, diga-se de passagem), pelo fato de ela sempre estar em um desafio e conseguir superá-lo (sozinha ou não). 
Coitada da Sadie! Nem no seu aniversário ela tem um descanso! (o mundo acabaria dali a 4 dias). A parte em que Liz e Emma a ajudam em sua missão, para fugir dos obstáculos foi uma das melhores partes para mim!
Depois, viajar com um anão não deve ser fácil, (mas tudo bem). Intrigante mesmo foi quando a garota conseguiu pegar o último pedaço do livro de Rá, e depois descobriu que Walt (seu aprendiz, e também seu amor secreto) carrega a maldição da linhagem do Rei Tutancâmon (nessa parte eu me surpreendi bastante)
Bem, ainda estou lendo, mas quero com certeza saber o que vai ser do mundo...

20/04/14

Acabei de ler o livro e posso dizer que me aventurei bastante durante toda a história (passei raiva e ansiedade algumas vezes, mas faz parte)
Bem, vou explicar desde do início. Okay. Isso soa meio (ou muito) óbvio, mas vamos lá!
Já estava na metade da história quando descobri que Sadie tinha juntado todas as partes do livro de Rá para poder despertá-lo, e que já tinha lido algumas coisas a respeito dos encantamentos (ela é demais, eu sei).
Como sempre, Carter viajou na sua forma de ba e desvendou mais alguns mistérios sobre a situação nada agradável em que se encontravam.
A parte que eu mais gostei foi quando os Kane tiveram de passar de Casa em Casa, sendo que cada "Casa" representa um hora da noite
Ficar num hospital comandado por uma deusa hipopótama já é mega desagradável, e com uma deusa sapo inconsciente como paciente pior ainda (não sei o que faria se estivesse num momento como esse)
Muito pior que isso é saber que o tempo acabou e que para conseguir mais 3 horas extras é preciso fazer um bendito jogo com o deus calculista da lua, ver seu pai "divino" e sua mãe cientista "fantasmagórica" e perder um amigo por causa de uma aposta ridícula! (odiei o deus da lua - e fiquei com muita raiva dele, por sinal)
Acordar um deus velho não foi nada fácil, especialmente por causa do escaravelho, e claro, de Vlad Menshikov, que não é ninguém menos que o Caos. 
Apófis tinha suas estratégias em mente, e por isso pegou no ponto fraco de Sadie: a cura para Walt.
Mesmo assim, os irmãos Kane conseguem superar os desafios e vencerem o Caos (com ajuda e o sacrifício da força vital de Desjardin - um ex-inimigo dos Kane, diga-se de passagem), e por fim, Amós se torna o novo Sacerdote-leitor Chefe.
Mas a guerra só está para começar...

Nota mental: Estou ansiosa para "A Sombra da Serpente"


Informações sobre o Livro
Título: O Trono de fogo
Coleção: As Crônicas dos Kane
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 398
Número da Edição: 01
Ano de publicação: 2011
Tradução: Debora Ísidoro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss