Pular para o conteúdo principal

Sinais do voo MH370 estão 'sumindo rapidamente', diz Austrália

Sinais que poderiam estar vindo do voo MH370, da Malaysia Airlines, estão "sumindo rapidamente" e encontrar a caixa-preta da aeronave será uma "tarefa gigantesca", advertiu o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott.
O premiê disse estar confiante de que os "pings" detectados pelas equipes de buscas seriam da caixa-preta do avião desaparecido. Pings são pequenos sinais de dados emitidos a partir da caixa-preta de um avião.
As baterias do dispositivo só são projetadas para durar um mês e poderão perder energia, se já não tiverem perdido.
A aeronave fazia a rota de Kuala Lumpur, na Malásia, a Pequim, na China, quando desapareceu, no último dia 8 de março, com 239 pessoas a bordo.
Tudo indica que o avião caiu no sul do Oceano Índico, mas até agora nenhum destroço foi achado.
As buscas envolvem mais de 20 países e estão sendo comandadas pela Austrália e coordenadas a partir da cidade australiana de Perth.


Tom contido
Os comentários de Abbott soaram mais contidos se comparados com o tom otimista demonstrado por ele na sexta-feira, quando se disse "muito confiante" de que os sinais captados uma embarcação australiana eram do Boeing 777 desaparecido.
"Tentar localizar qualquer coisa a 4.500 metros abaixo da superfície do oceano, a cerca de mil quilômetros da terra é uma tarefa gigantesca, gigantesca", afirmou.
"Visto que os sinais da caixa-preta estão sumindo rapidamente, o que estamos tentando fazer agora é tentar detectar o máximo possível (de sinais), para que possamos estreitar as áreas de buscas para a menor área possível", acrescentou Abbott.
O premiê acrescentou que um micro-submarino não-tripulado munido de um sonar seria enviado para realizar uma busca no fundo do oceano, mas só assim que as equipes de resgate estiverem confiantes em relação à área identificada --mas ele se recusou a dizer quando isso deverá acontecer.
Após analisar dados satelitais, autoridades acreditam que o avião saiu de sua trajetória por alguma razão ainda desconhecida e caiu no sul do Oceano Índico, ao oeste da região costeira da Austrália.
Dois sons captados na semana passada pela embarcação australiana Ocean Shield foram considerados "consistentes" com os sinais emitidos por caixas-pretas. Dois outros pings foram detectados na mesma área na terça-feira.
Na quinta-feira, uma aeronave australiana registrou um sinal de áudio na mesma área em que outros quatro sinais haviam sido captados anteriormente, mas agora autoridades acreditam que eles não estariam ligados ao de caixas-pretas.
As buscas subaquáticas pela aeronave se concentram atualmente em uma área de 1.300 quilômetros, o que equivale ao tamanho da cidade americana de Los Angeles.

Fonte: UOL Notícias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss