Pular para o conteúdo principal

Resistência do cérebro ao estresse previne o Alzheimer, aponta estudo

LONDRES - A resistência do cérebro ao estresse serve para conservar a capacidade cognitiva e evita o envelhecimento dos neurônios e o desenvolvimento de Alzheimer ou demência
Uma equipe de cientistas liderada por Tao Lu, do departamento de Genética da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, analisou a composição de mostras de cérebros de pessoas mortas que haviam se submetido em vida a avaliações neuropsiquiátricas. A experiência permitiu observar o "papel determinante" que tem uma proteína chamada REST para prevenir essas doenças neurodegenerativas de causas desconhecidas.
Segundo o estudo, essa proteína apenas está presente no núcleo dos neurônios dos jovens, enquanto aparece em grande proporção no cérebro das pessoas mais velhas saudáveis. Os cientistas descobriram, também, que a proteína REST está ausente nos neurônios das pessoas com Alzheimer - o tipo mais comum de demência senil caracterizado principalmente pela perda progressiva de memória - e de outras demências.
A função dessa proteína é anular "os genes que provocam a morte das células por envelhecimento e o consequente desenvolvimento de Alzheimer" assim como induzir a resistência do cérebro ao estresse, motivo pelo qual as pessoas que não têm essa proteína são mais propensas a desenvolver essas enfermidades. "O desaparecimento de REST no cérebro produz uma neuro degeneração e morte das células por envelhecimento", destaca o estudo.
Os níveis da proteína REST no cérebro permite explicar, segundo o estudo, "por que algumas pessoas mais velhas têm suas funções cognitivas intactas, enquanto em outras essas funções se reduzem e desenvolvem demência", enfermidade que afeta mais de 35 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Os pesquisadores apontaram que "os neurônios podem funcionar toda a vida, mas os mecanismos que os mantêm em funcionamento e os protegem da neuro degeneração durante o envelhecimento não são conhecidos", ainda que disseram que a proteína REST é um deles.
Esta pesquisa pode ser útil para "desenvolver novos tratamentos contra a demência", um mal que cada vez afeta mais pessoas por causa do aumento da expectativa de vida da população e ao maior envelhecimento, segundo as conclusões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alma minha gentil, que te partiste - Análise

Alma minha gentil, que te part iste   (A) Tão cedo desta vida desconte nte , (B) Repousa lá no Céu etername nte , (B) E viva eu cá na terra sempre tr iste.(A) Se lá no assento Etéreo, onde sub iste , (A) Memória desta vida se conse nte , (B) Não te esqueças daquele amor arde nte, (B) Que já nos olhos meus tão puro vi ste . (A) E se vires que pode merecer -te (C) Algũa cousa a dor que me fic ou (D) Da mágoa, sem remédio, de perder- te, (C) Roga a Deus, que teus anos encurt ou, (D) Que tão cedo de cá me leve a ver -te,   (C) Quão cedo de meus olhos te lev ou. (D) * Algua cousa = alguma coisa Autor: Luís Vaz de Camões Análise No poema, o "eu lírico" lamenta pela perda da amada, como pode se ver nos versos:  "Algũa cousa a dor que me ficou/Da mágoa, sem remédio, de perder-te" O "eu lírico" amava tanto a garota que ficou triste ao perdê-la, e lamenta a respeito disso: "Alma minha gentil que te partiste" e reza para que ela esteja feliz

O macaco e a banana

Um macaco estava comendo uma banana que escapou da sua mão e caiu no oco de uma árvore. Irritado, o macaco desceu da árvore e disse a um pedaço de pau: -Ô seu pedaço de pau, me ajuda a apanhar minha banana. O pedaço de pau não lhe deu a menor atenção. Furioso, o macaco foi até o lenhador e lhe disse: -Ô seu lenhador, venha mandar o pedaço de pau para me ajudar a apanhar minha banana que caiu no oco da árvore O lenhador não ligou para ele. Exasperado, o macaco procurou o delegado e lhe disse: -Ô seu delegado, venha mandar o lenhador ir até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a minha banana que caiu no oco da árvore. O delegado não obedeceu. O macaco foi até o rei pedir que ele mandasse o lenhador até a floresta para mandar o pedaço de pau ajudar a apanhar a banana que tinha caído no oco da árvore. O rei não lhe deu atenção. O macaco foi atrás da rainha. A rainha não lhe deu ouvidos. O macaco foi até o rato pedir que ele roesse a roupa da rainha. O rato se r

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História

A Viagem de Chihiro é uma das obras primas mais famosas de Hayao Miyazaki, e que mais ganhou premiações pela história bem elaborada. Chihiro é uma menina de dez anos, que, por casos da vida, entra em um túnel com os pais (que por sinal, estavam curiosos para saber onde a passagem ia dar) e acaba parando em um mundo paralelo, cheio de mistérios e criaturas mágicas. Sen to Chihiro no Kamikakushi ( 千と千尋の神隠し , nome original do filme) é, na verdade um jogo de palavras. Sen é uma palavra que tanto pode fazer referência ao nome que a protagonista, Chihiro, adquire durante o filme, ou "mil", "muitos" ou ainda "múltiplos". Além disso, a junção das duas primeiras palavras forma "Sento" , que significa "Casa de Banho", onde a maior parte da história se passa. O filme é composto de diversas metáforas e simbolismos tais como: A metáfora dos porcos, quando os pais de Chihiro vão ao restaurante com a menina e são tranformados em porcos - Iss