Trecho de Marília de Dirceu - Parte I - Lira 17 #01

Minha Marília,
Tu enfadada?
Que mão ousada
Perturbar pode

A paz sagrada
Do peito teu?
Porém que muito
Que irado esteja

O teu semblante
Também troveja
O claro céu
Eu sei, Marília

Que outra pastora
A toda hora
Em toda a parte
Cega namora

Ao teu pastor
Há sempre fumo;
Aonde há fogo
Assim, Marília, há zelos, logo
Que existe amor

(Marília de Dirceu - Primeira Parte - Lira 17)

Interpretação & História (com informações retiradas do livro: "Marília de Dirceu")
Assim como Maria Dorothea tinha suas estratégias de sedução por trás da indiferença (ignorando o poeta, às vezes), Gonzaga também era igualmente estrategista, e sua principal fonte para conquistar a jovem eram suas famosas poesias
Muito conhecido, pretendentes para ele é o que não faltava naquela época, e buscando mexer com os sentimentos de Marília, tratou de flertar uma aqui e outra ali, e ameaçou até mesmo reatar sua relação com a Loura Anselma, porém, rapidamente, Gonzaga se sentiu enciumado, e retratou os sentimentos nessa lira, e a parte na qual isso é mais perceptível, é na última estrofe, uma vez que a palavra "zelos", num português mais antigo, significa "ciúmes"

Minha Análise Literária
Sobre essa lira, não há muito o que comentar: Gonzaga apenas quis mexer com o coração da amada, de modo a poder perceber se a garota realmente estava interessada nele, e se era um sentimento recíproco, uma vez que, ao sentir ciúmes, Gonzaga percebe que a única que ele realmente ama é Marília, e como ele mesmo afirma na poesia: "Há zelos, logo, existe amor".
A respeito das características do Arcadismo presentes nessa lira, pode-se perceber a mais essencial de todas: o poeta se fingir de pastor, tal como a sua amada, de pastora.
Quanto à linguagem, esta continua a ser leve e simples, e as orações estão compostas na ordem direta, outra característica predominante entre os Árcades.
Com relação ao uso das palavras, a paz, considerada "sagrada" refere-se aos poucos momentos de paz que Marília possuía, os quais eram com o poeta, quando ambos se encontravam aos fins de semana, suponho. Momentos esses que, após Gonzaga "usar sua estratégia com a jovem", acabaram-se.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História