Trecho de Marília de Dirceu - Parte I - Lira VII

Vou retratar a Marília
A Marília, meus amores;
Porém, como? Se não vejo
Quem me empreste as finas cores!

Dar-mas, a terra não pode!'
Não, que sua cor mimosa
Vence o lírio, vence a rosa;
O jasmim e as outras flores!

Ah, socorre Amor, socorre
Ao mais grato empenho meu!
Voa sobre os astros, voa
Traze-me as tintas do céu

(Marília de Dirceu - Parte I - Lira VII)

Interpretação (retirada do livro "Marília de Dirceu")
Nesses momentos, se ainda não conquistara seu afeto, Gonzaga conquistara seu carinho e sua gratidão.
Marília também fazia certo jogo de sedução com o poeta.
Para ela, era preciso impor algum sofrimento para garantir a fidelidade daquele passado que denunciava um libido descontrolado.
Às vezes, só para castigar o pretendente, voltava-lhe as costas. Noutras, ignorava os apelos do poetas por um simples bilhete que fosse.
São conhecidas as cartas de Gonzaga para ela, mas nunca o contrário.
Marília era instruída, e o fato de não se corresponder com o poeta, talvez denote uma teia de sedução que armava por trás da indiferença.

Minha Análise Literária
Pelo que dá para perceber nesse trecho, Maria Dorothea (Marília) era o único amor de Gonzaga, sendo essa a pessoa que mais o faz feliz, e por isso quando diz: "Como? Se não vejo quem me traz as finas cores!", ele quer dizer que somente Marília pode trazer a alegria a ele, porque Marília é insubstituível, e é mais meiga e bela que qualquer outra coisa/pessoa, superando assim, "as rosas, o jasmim, e as outras flores", e assim, devido a isso, ele pede à amada no final da lira: "Traze-me as tintas do céu"
Há 3 momentos diferentes na Lira, verificadsos em diferentes versos da mesma:

  • Lamentação do "eu lírico", de não ter a amada próximo a ele: "Porém, como? Se não vejo/Quem me empreste as finas cores!"
  • Declaração à Marília de modo a dizer que ela é única: Verifica-se em toda a segunda estrofe: "Dar-mas a terra não pode!/Não, que sua face mimosa/Vence o lírio, vence a rosa/O jasmim e as outras flores. Entretanto este tópico é mais expresso no primeiro verso: "Dar-mas a terra não pode!", porque, aliás, o fato de "vencer as flores" está mais relacionado à extrema beleza de Marília, que as supera.
  • Pedido de socorro do "eu lírico", pelo desejo da alegria: "Ah, socorre, Amor, socorre"/(...) "Traze-me as tintas do céu". A justificativa para o último verso ter relação com esse tópico é que, "as tintas do céu" estão relacionadas com as "cores", que fazem do mundo, e também de Gonzaga, alguém mais feliz, sendo uma metáfora para a sua intensa alegria! =D

Comentários

  1. muito bom... me ajudou bastante... obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada a você pela visita
      Um beijo!

      Excluir
  2. muito bom... me ajudou bastante... obrigada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História