O preço da beleza

Um artesão está na feira vendendo vasos. Uma mulher se aproxima e olha a mercadoria: algumas peças estão sem qualquer desenho, outras foram decoradas com todo o cuidado
A mulher pergunta o preço dos vasos. Para a sua surpresa, todos custam a mesma coisa
-Como o vaso decorado pode custar o mesmo que um simples - pergunta - por que cobrar igual por um trabalho que demorou mais tempo para serr feito?
-Sou um artista - responde o vendedor - posso cobrar pelo vaso que fiz, mas não posso cobrar pela beleza. A beleza é grátis

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História