Amaterasu, a radiante luz que emana dos céus

1# Introdução a deusa Amaterasu

Amaterasu é a deusa do sol, sengundo a mitologia do Japão e tem uma irmã chamada Uzume, que personifica a Alegria, cujos caminhos se cruzaram, e a relação entre ambas permance intimamente ligadas
O nome da deusa significa "Grande deusa Augusta que ilumina os céus", sendo uma das divindades mais importantes do Japão, por ter dado origem à família imperial
Nascida do olho esquerdo de Izagini, ela tinha como irmãos, Tsukuyomi (o deus da Lua) e Susanoo (deus das trevas)
É descrita por muitos de seus seguidores, como "a que emana toda a luz", e devido à sua compaixão e suavidade, representa o sol
Ela é cultuada no Templo Ise, pertencente à família imperial.
Até antes da Segunda Guerra, os japoneses acalentavam o desejo de visitar o local menos uma vez na vida. Não por ser o templo da família imperial, mas para rezar e pedir por uma farta colheita à deusa Amaterasu, fonte da vida, ao Deus da Água Sarutahiko, e à Deusa dos Cereais, Toyouke.

2#Amaterasu e a lenda da gruta
A história mais conhecida que menciona Amaterasu como figura principal, é a da gruta.
Vamos a ela:
Conta a lenda, que Susanoo se comportava muito mal, e tudo o que sabia, era atormentar a irmã.
Um dia, matou o cavalo da deusa (*animal que lhe era sagrado*) e jogou sua carcaça sangrenta sobre ela e suas auxiliares no quarto de tear.
Algumas versões contam, que uma tecelã morreu de susto e, em outras, que a própria Amaterasu saiu ferida do ataque.
Mas, o que realmente aconteceu é que a Deusa se assustou tanto, que se refugiou em uma gruta do ceú, envergonhada do que havia acontecido.

Durante sua ausêcia, o mundo permanceu na escuridão, e cobriu-se de travas, já que o sol não aparecia mais.
Dizem ainda, que nesse período, os campos morreram e tudo congelou.
Os outros deuses, temendo que essa escuridão perdurasse eternamente, fizeram uma festa na porta da gruta, e colocaram na árvore que rodeava a entrada da gruta, um grande espelho mágico, bandeirolas de cânhamo e jóias.
Depois acenderam enormes fogueiras para iluminar o local, fazendo com que os galos cantassem achando que o dia raiava, enquanto os membros da família divina, reunidos nesse lugar, sopravam pífaros, tocavam tambor e faziam uma grande algazarra.
Após algum tempo, a deusa Uzume teve a ideia de dançar um pouco.
Mas, a dança que estava apresentando era tão ridícula que as outras divindades começaram a rir bem alto.
Com tanto barulho, Amaterasu ficou curiosa e decidiu sair para ver o que estava acontecendo.
Ao fazê-lo deparou-se com uma luz forte e brilhante, a qual, depois de algum tempo, a deusa percebeu que era o seu próprio reflexo.
Porém, enquanto estava distraída, os outros deuses fecharam a entrada da gruta com uma pedra e insistiram que ela retornasse ao plano celestial.
E, no final, mesmo que Susanoo tivesse sido desonrado pelos outros deuses, Amaterasu o fez mensageiro de seu amor e desejos.
Quanto à Uzume, esta ficou extreemamente feliz pelo fato de tudo ter acabado bem, e a alegria poder reinar uma vez mais!
Finalmente, tempos depois, Amaterasu enviou seu neto ao Japão para promover a paz e seu bisneto, Jinmu, transformou-se no primeiro imperador do país. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História