Poemas de Shakespeare

"Mas quando o amor é sincero,
Ele vem com um grande amigo.
E quando a amizade é concreta,
Ela é cheia de amor e carinho.
Quando se tem um amigo,
Ou uma grande paixão,
Ambos os sentimentos coexistem,
Dentro do seu coração.
Te desejo...! Te desejo...! Te desejo...!Te...
Beijos...! Beijos...! Beijos! Beijos...! Beijos...! Beijos...!"

"De almas sinceras, a união sincera
Não há nada que impeça: Amor não é amor
Se quando encontra obstáculos, se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante.
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante.
Cujo valor se ignora, lá na altura,
Amor não teme o tempo, muito embora,
Seu alfange não poupe a mocidade.
Amor não se transforma de hora em hora.
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e é falso, alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou"

"Há certas horas em que não precisamos de um Amor.
Não precisamos da paixão desmedida.
Não queremos beijo na boca
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama.

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado, ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado.
Sem nada dizer.

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, anos fazer sorrir.

Alguém que ria de nossas piadas sem graça...
Que ache nossas tristezas, as maiores do mundo...
Que nos teça elogios sem fim...
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade inquestionável.

Que nos mande calar a boca, ou nos evite um gesto impensado...
Alguém que nos possa dizer:

Eu acho que você está errado, mas, eu estou do seu lado
Ou alguém que apenas diga:
Eu sou o seu amor! E eu estou aqui!"

William Shakespeare
Célebre dramaturgo inglês renascentista

"Se o amor é cego, não pode acertar o alvo."
Romeu e Julieta


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História