A Luz Através da Janela (Poema)

A Luz Através da Janela

Noite sem fim;
A escuridão é o mundo que conheço.
Pesado fardo
Nenhuma luz surge por trás das janelas

Dia suave,
A mão que se estende em meio à tristeza
Toca gentilmente,
Espalha o calor por toda a sala.

Horas do Crepúsculo;
As sombras em você, vem e vão.
Uma saudade secreta;
O coração fica mais sensível, e volta a bater.

Luz sem fim;
A escuridão era o mundo que eu conhecia
Queima e ilumina.
Cresce meu amor por você.

                                                                           Sophia de la Martinières
                                                Julho de 1943 
                    
                                                                Extraído do Livro "A Luz Através da Janela"                                                                  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare:Romeu e Julieta-Trecho; A "Cena do Balcão", Ato II, Cena II

Yuki Furukawa (古川雄輝)

A Viagem de Chihiro - As Metáforas por trás da História